Aaron - Aaron


Da Wikipédia, a enciclopédia livre

Aaron
Aaron (Kirillo-Belozersk) .jpg
Ícone russo de Aaron do século 17.
Profeta, Sumo Sacerdote
venerado em Judaísmo
Cristianismo
Islam
Festa O domingo antes Natividade (Domingo dos Santos Padres do Antigo Testamento) ( Igreja Ortodoxa )
maronita Church : 4 Setembro

Aaron ( / ær ən / ou / ɛər ən / ; hebraico : אַהֲרֹן Aharon ) é um profeta , sumo sacerdote , e irmão de Moisés nas religiões abraâmicas .

Conhecimento de Aaron, junto com seu irmão Moisés, vem exclusivamente de textos religiosos, como a Bíblia e Alcorão . A Bíblia hebraica relata que, ao contrário de Moisés, que cresceu na corte real egípcia, Aaron e sua irmã mais velha Miriam permaneceu com seus parentes no leste border-terra do Egito ( Goshen ). Quando Moisés confrontou pela primeira vez o rei egípcio sobre os israelitas , Aaron serviu como porta-voz de seu irmão ( "profeta") para o Faraó. Parte da Lei (Torá) que Moisés recebeu de Deus no Sinai concedido Aaron sacerdócio para si e seus descendentes masculinos, e ele se tornou o primeiro Sumo Sacerdote dos israelitas .

Aaron morreu antes de os israelitas atravessaram o rio Norte Jordan e ele foi enterrado no Monte Hor (Números 33:39; Deuteronômio 10: 6 diz que ele morreu e foi sepultado em Moserá ). Aaron também é mencionada no Novo Testamento da Bíblia.

narrativa bíblica

De acordo com o Livro do Êxodo , Aaron primeira funcionava como Moses assistente '. Porque Moisés reclamou que ele não podia falar bem, Deus nomeou Arão como Moisés 'profeta' (Êxodo 4: 10-17; 7: 1). Sob o comando de Moisés , ele deixou sua vez haste em uma cobra. Então ele estendeu a sua vara , a fim de trazer as três primeiras pragas. Depois disso, Moisés tendiam a agir e falar por si mesmo.

Durante a viagem no deserto, Aaron nem sempre foi proeminente ou ativo. Na batalha com os amalequitas , ele foi escolhido com Hur para suportar a mão de Moisés que realizou a " vara de Deus ". Quando a revelação foi dada a Moisés no Monte Sinai Bíblico , dirigiu os anciãos de Israel que acompanharam Moisés no caminho para o cume. Enquanto Joshua fui com Moisés ao topo, no entanto, Aarão e Hur permaneceram abaixo para cuidar das pessoas. De agora em diante, em Êxodo, Levítico e Números, Josué aparece no papel de assistente de Moisés, enquanto funções Aaron em vez como o primeiro sumo sacerdote.

Sumo sacerdote

Os livros de Êxodo , Levítico e Números sustentam que Aaron recebeu de Deus um monopólio sobre o sacerdócio para si e seus descendentes masculinos (Êxodo 28: 1). A família de Aaron teve o direito exclusivo ea responsabilidade de fazer oferendas no altar para Javé . O resto de sua tribo, os levitas , foram dadas responsabilidades subordinadas dentro do santuário (Números 3). Moisés ungiu e consagrou Arão e seus filhos ao sacerdócio e vestiu-os com as vestes de escritório (Levítico 8; cf. Êxodo 28-29). Ele também relacionado a eles instruções detalhadas de Deus para a realização de suas funções, enquanto o resto dos israelitas ouviam (Levítico 1-7, 11-27). Arão e seus sucessores como sumo sacerdote foram dadas controle sobre o Urim e Tumim pelo qual a vontade de Deus pode ser determinada (Êxodo 28:30). Deus comissionou os sacerdotes aarônica para distinguir o sagrado do comum e a limpeza do imundo, e para ensinar as leis divinas (a Torá ) para os israelitas (Levítico 10: 10-11). Os sacerdotes também foram encomendados para abençoar o povo (Números 6: 22-27). Quando Aaron concluído as ofertas altar pela primeira vez e, com Moisés ", abençoaram o povo; ea glória do L ORD apareceu a todo o povo: E lá saiu fogo de diante do L ORD , e consumido no altar o holocausto ea gordura [que] quando todas as pessoas viram, gritaram, e caiu em seus rostos"(Levítico 9: 23-24). Desta forma, a instituição do sacerdócio aarônica foi estabelecida.

Em livros posteriores da Bíblia hebraica, Aaron e seus parentes não são mencionados muito frequentemente, exceto na literatura datam do cativeiro babilônico e posteriores. Os livros de Juízes , Samuel e Reis mencionar sacerdotes e levitas, mas não mencionam os Aaronides em particular. O livro de Ezequiel , que dedica muita atenção aos assuntos sacerdotais, chama a classe sacerdotal superior a zadoquitas depois de um dos sacerdotes do rei Davi. Ele faz refletir um sacerdócio de dois níveis com os levitas em posição subordinada. Uma hierarquia de dois níveis de Aaronides e levitas aparece em Ezra , Ne e crónicas . Como resultado, muitos historiadores pensam que as famílias aarônica não controlar o sacerdócio na pré-exílico Israel. O que está claro é que os padres altos alegando aarônica descida dominou o período do Segundo Templo . A maioria dos estudiosos acha que o Torah alcançou sua forma final no início deste período, o que pode explicar a proeminência de Aaron em Êxodo, Levítico e Números.

conflitos

Aaron desempenha um papel de liderança em várias histórias de conflitos durante a peregrinação no deserto de Israel. Durante a ausência prolongada de Moisés no Monte Sinai, o povo provocou Aaron para fazer um bezerro de ouro . (Ex 32: 1-6). Este incidente quase levou Deus a destruir os israelitas (Êxodo 32:10). Moisés interveio com sucesso, mas depois levou os levitas fiéis na execução de muitos dos culpados; uma peste assolou aqueles que foram deixados (Êxodo 32: 25-35). Aaron, no entanto, escapou punição por seu papel no caso, por causa da intercessão de Moisés de acordo com Deuteronômio 09:20. Retellings posteriores desta história quase sempre desculpar Aaron para seu papel. Por exemplo, em fontes rabínicas e no Alcorão, Aaron não era o ídolo-maker e em cima do retorno de Moisés implorou seu perdão porque se sentia mortalmente ameaçado pelos israelitas (Alcorão 7: 142-152).

No dia da consagração de Arão, seus filhos mais velhos, Nadabe e Abiú , foram queimadas pelo fogo divino, porque eles ofereceram incenso "estranho" (Levítico 10: 1-3). A maioria dos intérpretes acho que essa história reflete um conflito entre famílias sacerdotais algum tempo no passado de Israel. Outros argumentam que a história simplesmente mostra o que pode acontecer se os padres não seguir as instruções de Deus dada por meio de Moisés.

A Torá geralmente retrata os irmãos, Moisés, Arão e Miriã, como os líderes de Israel depois do Êxodo, uma visão também reflete no bíblico Livro de Miquéias . Números 12, no entanto, relata que em uma ocasião, Aaron e Miriam reclamou reivindicação exclusiva para ser o L Moses ORD 'profeta s. Sua presunção foi rejeitado por Deus, que afirmou singularidade de Moisés como aquele com quem o L ORD falou face a face. Miriam foi punido com uma doença de pele ( tzaraat ) que transformou sua pele branca. Aaron defendeu com Moisés para interceder por ela, e Miriam, depois de quarentena de sete dias, foi curada. Aaron, mais uma vez escapou de qualquer retribuição.

De acordo com números 16-17, um levita chamado Corá levou muitos em desafiar reivindicação exclusiva de Arão para o sacerdócio. Quando os rebeldes foram punidos por serem engolidos pela terra (Números 16: 25-35), Eleazar , filho de Arão, foi contratado para assumir o comando dos turíbulos dos sacerdotes mortos. E quando uma praga rebentou entre as pessoas que tinham simpatizavam com os rebeldes, Aaron, sob o comando de Moisés, tomou o seu incensário e ficou entre os vivos e os mortos até que a praga diminuiu (Números 17: 1-15, 16:36 -50).

A florescência da vara de Arão, gravura por Augustin Hirschvogel

Para enfatizar a validade da reivindicação dos levitas para as ofertas e dízimos dos israelitas, Moisés recolheu uma vara dos líderes de cada tribo de Israel e colocou as doze varas durante a noite na tenda da congregação . Na manhã seguinte, a vara de Aaron foi encontrada para ter enxertadas e floresceu e produzido amêndoas maduras (Números 17: 8). O capítulo seguinte, em seguida, detalha a distinção entre a família de Arão e o resto dos levitas: enquanto todos os levitas (e apenas levitas) foram dedicados ao cuidado do santuário, a carga do seu interior e o altar estava comprometido com as aronitas sozinho (Números 18: 1-7).

Morte

Aaron, como Moisés, não foi autorizado a entrar em Canaã com os israelitas porque os dois irmãos mostrou impaciência em Meribá ( Cades ) no último ano da peregrinação do deserto (Números 20: 12-13), quando Moisés trouxe água de uma rocha para saciar a sede do povo. Apesar de terem sido ordenado para falar com a rocha, Moses atingiu-o com o pessoal duas vezes, o que foi interpretado como a indicação de uma falta de deferência à L ORD (Números 20: 7-11).

Há duas contas da morte de Aaron na Torá. Números diz que logo após o incidente em Meribá, Aaron com seu filho Eleazar e Moisés subiu ao Monte Hor. Lá Moisés despiu a Arão as vestes sacerdotais e transferiu-os para Eleazar. Aaron morreu no cume da montanha, e as pessoas o choraram trinta dias (Números 20: 22-29; comparar 33: 38-39). O outro relato é encontrado em Deuteronômio 10: 6, onde Aaron morreu em Moserá e foi sepultado. Há uma quantidade significativa de viagem entre estes dois pontos, como o itinerário em Números 33: 31-37 registra sete fases entre Moserote (Mosera) e Mount Hor. Aaron foi de 123 no momento da sua morte.

descendentes

Aaron casado Eliseba , filha de Aminadabe e irmã de Nasom ( Êxodo 6:23), da tribo de Judá. Os filhos de Arão foram Eleazar, Itamar , Nadabe e Abiú. Um descendente de Arão é um Aaronite, ou Kohen , significando Priest. Qualquer não Aarônico levita -ie, descendente de Levi, mas não de Aaron-assistida os sacerdotes da família de Aarão no cuidado do tabernáculo; mais tarde do templo.

O Evangelho de Lucas registra que tanto Zacarias e Elizabeth e, portanto, seu filho João Batista eram descendentes de Aaron.

Árvore genealógica

Jacob Leah
Levi
Gershon Coate Merari
Libni Simei Izar Hebron Uziel Mali Mushi
Joquebede Amram Misael Elzafã Sitri
Miriam Aaron Moisés Zípora
Gershom Eliezer

Historicidade

Nas tradições religiosas

literatura rabínica judaica

Os profetas antigos e escritores proféticos contemplaram em seus sacerdotes os representantes de uma forma religiosa inferior à verdade profética; homens sem o Espírito de Deus e sem a necessária força de vontade para resistir a multidão em suas tendências idólatras. Assim Aaron, o primeiro sacerdote, está abaixo Moisés: ele é seu porta-voz, e o executor da vontade de Deus revelada por meio de Moisés, embora seja apontado que é dito quinze vezes na Torá que "o Senhor falou a Moisés e Aaron."

Sob a influência do sacerdócio que moldou os destinos da nação sob persa regra, um ideal diferente do sacerdote foi formada, de acordo com Malaquias 2: 4-7, ea tendência predominante era colocar Aaron em pé de igualdade com Moisés. "Às vezes, Aaron, e em outras vezes Moisés é mencionado pela primeira vez na Escritura-isso é para mostrar que eles eram de igual valor", diz o Mekhilta de Rabi Ishmael , o que implica fortemente este ao introduzir no seu registro de homens renomados brilhante descrição do ministério de Aaron.

Em cumprimento da promessa de vida pacífica, simbolizado pelo derramamento de óleo sobre a sua cabeça ( Levítico Rabá x., Midrash Teh. CXXXIII. 1), a morte de Aaron, conforme descrito na Hagadá , foi de uma tranquilidade maravilhosa. Acompanhado por Moisés, seu irmão, e por Eleazar, seu filho, Aaron foi para o cume do Monte Hor, onde a rocha se abriu de repente diante dele e uma bela caverna iluminada por uma lâmpada apresentou-se à sua visão. "Tire o teu vestido sacerdotal e colocá-lo sobre o teu filho Eleazar!" disse Moisés; "e, em seguida, siga-me." Aaron fez como ordenado; e eles entraram na caverna, onde foi preparada uma cama em torno do qual anjos estavam em pé. "Vá deitar-se sobre a tua cama, meu irmão", Moisés continuou; e Arão obedeceu sem um murmúrio. Então sua alma que partiu como que por um beijo de Deus. A caverna se fechou atrás de Moisés como ele deixou; e ele desceu a colina com Eleazar, com roupas rasgadas e chorando: "Ai de mim, Aaron, meu irmão tu, o pilar de súplica de Israel!" Quando os israelitas clamaram com espanto: "Onde está Aaron?" anjos foram vistos carregando caixão de Arão através do ar. Uma voz foi então ouvida dizendo: "A lei da verdade esteve na sua boca, ea impiedade não se achou nos seus lábios; ele andou comigo em justiça, e trouxe muitos volta do pecado" (Malaquias 2: 6). Ele morreu, de acordo com Seder Olam Rabbah ix., RH 2, 3-A, no primeiro dia de Av . A coluna de nuvem que passou na frente do acampamento de Israel desapareceu com a morte de Aaron (veja Seder Olam, ix. E RH 2b-3a). A aparente contradição entre os números 20:22 e segs. e Deuteronômio 10: 6 é resolvido pelos rabinos da seguinte maneira: a morte de Aaron no Monte Hor foi marcado pela derrota dos povos em uma guerra com o rei de Arad, em conseqüência do que os israelitas fugiram, marchando sete estações para trás para Mosera, onde realizaram os ritos de luto por Aaron; por isso se diz: "Não [at Mosera] morreu Aaron."

Os rabinos também habitará com laudation especial sobre o sentimento fraternal que uniu Arão e Moisés. Quando este último foi nomeado régua e Aaron sumo sacerdote, nem traiu qualquer ciúme; em vez disso, regozijou-se em um de outra grandeza. Quando Moisés a princípio recusou-se a ir a Faraó, dizendo: "Ó meu Senhor, envia, peço-te, por mão daquele a quem tu hás de enviar" (Êxodo 4:13), ele não estava disposto a privar Aaron, seu irmão, da posição alta o último tinha mantido por tantos anos; mas o Senhor assegurou-lhe, dizendo: "Eis que, vendo-te, se alegrará em seu coração" ( Êxodo 04:14 ). Na verdade, Aaron era encontrar a sua recompensa, diz Shimon bar Yochai ; para que o coração que tinha saltou com alegria sobre a ascensão de seu irmão mais novo para a glória maior do que seu foi decorado com o Urim e Tumim , que estavam a "estejam sobre o coração de Arão, quando entrar diante do Senhor" ( Cânticos Rabá i. 10). Moisés e Arão reuniram-se em alegria de coração, beijando uns aos outros como verdadeiros irmãos (Êxodo 04:27; comparar Cântico dos Cânticos 8: 1), e um deles está escrito: "Eis que quão bom e quão suave [é] que os irmãos vivam em união!" ( Salmo 133 : 1). Deles é dito: "A misericórdia ea verdade se encontraram, a justiça ea paz se beijaram [entre si]" (Salmos 85:10); Moisés ficou de justiça, de acordo com Deuteronômio 33:21, e Aaron para a paz, de acordo com Malaquias 2: 6 . Mais uma vez, mercê foi personificada em Aaron, de acordo com Dt 33: 8, e na verdade em Moses, de acordo com Números 12: 7.

Quando Moisés derramou o óleo da unção sobre a cabeça de Aaron, Aaron modestamente recuou e disse: "Quem sabe se eu não lançar alguma mancha sobre este óleo sagrado, de modo a perder este alto cargo" Em seguida, a Shekhinah falou as palavras: "Eis o óleo precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba de Arão, que chegou até as saias de seu vestido, é tão puro como o orvalho de Hermom" ( Salmo 133: 2 -3 ).

De acordo com Tanhuma , atividade de Aaron como um profeta começou mais cedo do que a de Moisés. Hillel realizada Aaron como um exemplo, dizendo: "Seja dos discípulos de Aaron, amante da paz e buscando a paz, o amor seus semelhantes e atraí-los perto, diante da Lei" Isto é ainda ilustrado pela tradição preservada em Abot de-Rabbi Natan 12, Sinédrio 6b, e em outros lugares, segundo a qual Aaron era um sacerdote ideal do povo, muito mais amado por seus modos gentis do que foi Moisés. Enquanto Moisés era severa e intransigente, brooking nada de errado, Aaron foi sobre como pacificador, reconciliar o homem e mulher, quando viu-los afastados, ou um homem com o seu próximo, quando eles brigaram, e ganhar malfeitores de volta para o caminho certo pelo seu amigável relação sexual. O luto das pessoas com a morte de Aaron foi maior, portanto, do que naquele de Moisés; para que, quando Aaron morreu toda a casa de Israel chorou, incluindo as mulheres, (Números 20:29) Moisés foi batiam no peito por "os filhos de Israel" única (Deuteronômio 34: 8). Mesmo na confecção do Bezerro de Ouro os rabinos encontrar circunstâncias atenuantes para Aaron. Sua fortaleza e silenciosa submissão à vontade de Deus sobre a perda de seus dois filhos são referidos como um excelente exemplo para os homens como para glorificar a Deus no meio de grande aflição. Especialmente importantes são as palavras representadas como sendo falado por Deus após os príncipes das Doze Tribos tinha trazido suas ofertas dedicação no Tabernáculo recém-criados: "dizer a teu irmão Aarão: Maior do que os presentes dos príncipes é a tua oferta, porque és chamados a acender a luz, e, enquanto os sacrifícios deve durar apenas enquanto o Templo dura, tua luz durar para sempre ".

cristandade

Ícone russo de Aaron (século 18, Iconostasis de Kizhi mosteiro , Karelia , Rússia).

Nos ortodoxos Oriental e maronitas igrejas, Aaron é venerado como um santo cuja festa é compartilhada com seu irmão Moisés e celebrado em 4 de setembro (aquelas igrejas que seguem o tradicional Calendário Juliano celebrar este dia em 17 de setembro do moderno calendário gregoriano ) . Aaron também é comemorado com outros santos do Antigo Testamento no domingo dos Santos Padres, o domingo antes do Natal .

Aaron é comemorado como um dos Sagrados Forefathers no calendário dos Santos da Igreja Apostólica Armênia em 30 de julho Ele é comemorado em 1 de Julho no calendário Latina moderna e no calendário siríaco.

Santos dos Últimos Dias

Em A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias , o Aarônico ordem é a menor ordem de sacerdócio, que compreende as notas (menor para o maior) de diácono, mestre e sacerdote. O chefe do escritório do sacerdócio Aarônico é o Bispado Presidente; o chefe do sacerdócio é o bispo. Cada ala inclui um quorum de um ou mais de cada ofício do sacerdócio Aarônico.

Na Comunidade de Cristo , a fim Aarônico de sacerdócio é considerado como um apêndice do fim Melquisedeque , e é composto pelos ofícios do sacerdócio de diácono, mestre e sacerdote. Embora diferindo em responsabilidades, estes escritórios, juntamente com os da ordem Melchisidec, são considerados iguais perante Deus.

islamismo

Aaron ( árabe : هارون, Harun ) também é mencionado no Alcorão como um profeta de Deus . O Alcorão louva Aaron repetidamente, chamando-o de "servo acreditar", bem como aquele que foi "guiado" e um dos "vencedores". Aaron é importante para o Islã por seu papel nos eventos de Êxodo , no qual, de acordo com o Alcorão e muçulmano tradição , ele pregou com seu irmão mais velho, Moses , ao Faraó do Êxodo . Significado de Aaron no Islã, no entanto, não se limita ao seu papel como o ajudante de Moisés. A tradição islâmica também está de acordo Arão, o papel de um patriarca , como a tradição registra que a descendência sacerdotal veio através da linhagem de Arão, que incluiu toda a Casa de Amran .

Aaron no Alcorão

O Alcorão contém numerosas referências a Aaron ( árabe : هارون Harun ), ambos por nome e sem nome. Ela diz que ele era um descendente de Abraão (Alcorão 4: 163) e deixa claro que tanto ele e Moisés foram enviados juntos para advertir o Faraó sobre a punição de Deus (Alcorão 10: 75). Ele ainda acrescenta que Moisés já havia orado a Deus para fortalecer seu próprio ministério com Aaron (Alcorão 20: 29-30) e que Aaron ajudou Moisés como ele também era um profeta (Alcorão 19: 53), e muito eloqüente em matéria de discurso e discurso (Alcorão 28: 34). O Alcorão acrescenta que tanto Moisés e Arão foram confiados para estabelecer locais de moradia para os israelitas no Egito, e para converter as casas em locais de culto para Deus (Alcorão 10: 87).

O incidente do Bezerro de Ouro, como é narrado no Alcorão pinta Aaron em uma luz positiva. O Alcorão diz que Aaron foi confiada a liderança de Israel enquanto Moisés estava no Tur Sina' ( em árabe : طور سيناء , Mount Sinai ) por um período de quarenta dias (Alcorão 7: 142). Acrescenta que Aaron tentou o seu melhor para parar a adoração do Bezerro de Ouro, que foi construído não por Aaron mas por um homem mau com o nome de ' As-samaritano ' (Alcorão 19: 50). Quando Moisés voltou do Monte Sinai, repreendeu Aaron para permitir a adoração do ídolo, a que Aaron defendeu com Moisés para não culpá-lo quando ele não teve nenhum papel na sua construção (Alcorão 7: 150). O Alcorão, em seguida, acrescenta que Moisés aqui lamentou os pecados de Israel, e disse que ele só tinha poder sobre si mesmo e Aaron (Alcorão 5: 25).

Aaron mais tarde é comemorado no Alcorão como alguém que tinha uma "autoridade clara" (Alcorão 23: 45) e aquele que foi "guiado para o caminho certo" (Alcorão 37: 118). Ele ainda acrescenta que a memória de Aaron foi deixado para as pessoas que vieram depois dele (Alcorão 37: 119) e ele é abençoado por Deus junto com seu irmão (Alcorão 37: 120). O Alcorão também diz que as pessoas chamavam de 'Isa mãe s' Maryam ( árabe : مريم , Mary ) uma "irmã de Harun" (Alcorão 19: 28). Estudiosos muçulmanos debatido a respeito de quem exatamente esta "Harun" foi, em termos de sua personalidade histórica, com alguns dizendo que era uma referência para Aaron do Êxodo, e o termo "irmã" designando apenas um elo metafórico ou espiritual entre as duas figuras , ainda mais evidente quando Maria era descendente da linhagem sacerdotal de Arão, enquanto outros mantiveram-lo para ser um outro homem justo vivendo no momento do Cristo pelo nome de "Aaron". A maioria dos estudiosos concordaram com a ex-perspectiva, e ligaram Mary espiritualmente com a irmã real de Aaron, seu homónimo Miryam ( árabe : مريم , hebraico : מִרְיָם ), a quem ela se assemelhava em muitos aspectos. O Alcorão narra também que, séculos mais tarde, quando o Tabut ( árabe : تابوت , Arca da Aliança ) retornou a Israel, ele continha "relíquias da família de Moisés e relíquias da família de Arão" (Alcorão 2: 248) .

Aaron, na época de Muhammad

Muhammad , em muitas de suas palavras, fala de Aaron. No caso do Mi'raj , sua ascensão milagrosa através dos Céus, Muhammad disse ter encontrado Aaron no quinto céu. Segundo os estudiosos antigos, incluindo Ibn Hisham , Muhammad, em particular, mencionou a beleza de Aaron quando ele o encontrou no céu. Martin Lings , em sua biografia Muhammad , fala da admiração de Maomé ao ver companheiros profetas na sua glória celestial:

De José disse que seu rosto tinha o esplendor da lua no seu pleno, e que ele havia sido dotado com nada menos do que a metade de toda a beleza existente. No entanto, isso não diminuiu admiração de Maomé em seus irmãos, e ele mencionou em particular a grande beleza de Aaron.

Aaron também foi mencionado por Muhammad na semelhança com ' Ali . Muhammad tinha deixado 'Ali para cuidar de sua família, mas os hipócritas da época começaram a espalhar o boato de que o profeta encontrado' Ali um fardo e ficou aliviado ao se livrar de sua presença. 'Ali, entristeceu ao ouvir esta provocação ímpios, disse Muhammad o que as pessoas locais estavam dizendo. Em resposta, o Profeta disse: "Eles mentem, ordenei-te permanecer por causa do que eu tinha deixado para trás mim Então retornar e representam me na minha família e na tua Arte tu não o conteúdo, Ali O', que tu deveria.. sê-me como Aarão a Moisés, senão que depois de mim não há profeta ".

Túmulo de Aaron

Um santuário do século 14, construída em cima do suposto túmulo de Aaron em Jabal Harun em Petra , Jordan .

Segundo a tradição islâmica, o túmulo de Aaron está localizado em Jabal Harun ( árabe : جبل هارون , Montanha de Aaron), perto de Petra na Jordânia . No 1,350.0 (m 4,429.1 pés) acima do nível do mar, é o pico mais alto na área; e é um lugar de grande santidade ao povo local para aqui. Um século 14 Mamluk mesquita está aqui com sua cúpula branca visível da maioria das áreas e em torno de Petra.

Baha'i

Embora seu pai é descrito como um apóstolo e profeta, Aaron é meramente descrito como um profeta. O Kitab-I-Iqán descreve Imran como sendo seu pai.

História da arte

Aaron aparece emparelhado com Moisés freqüentemente na arte judaica e cristã, especialmente nas ilustrações de Bíblias manuscrito e impresso. Ele geralmente pode ser distinguido por suas vestimentas sacerdotais, especialmente seu turbante ou mitra e couraça de jóias. Ele freqüentemente tem um censor ou, às vezes, a sua vara de floração. (Veja a categoria "Aaron" no Wikimedia Commons.) Aaron também aparece em cenas que descrevem o Tabernáculo deserto e seu altar, como já nos afrescos do século III na sinagoga em Dura-Europos , na Síria. Um século XI altar portátil prata de Fulda , Alemanha retrata Aaron com seu censor, e está localizado no Musée National de l'Age Médiévale em Paris . Esta é também a forma como ele aparece nos frontispícios de início impresso Páscoa Haggadot e, ocasionalmente, em esculturas da igreja. Aaron raramente tem sido o assunto de retratos, como os de Anton Kern [1710-1747] e por Pier Francesco Mola [c. 1650]. Artistas cristãos, por vezes, retratam Aaron como um profeta (Êxodo 7:. 1) segurando um rolo de papel, como em uma escultura do século XII da Catedral de Noyon no Metropolitan Museum of Art , Nova York e muitas vezes em ícones ortodoxos orientais. Ilustrações do Bezerro de Ouro história geralmente incluem-lo como bem mais notavelmente em Nicolas Poussin 's ' A adoração do bezerro de ouro '(ca. 1633-1634, National Gallery de Londres). Finalmente, alguns artistas interessados em validar sacerdócios posteriores ter pintado a ordenação de Arão e seus filhos (Levítico 8). Harry Anderson retrato realista 's é muitas vezes reproduzida na literatura dos Santos dos Últimos Dias.

Veja também

Notas

notas de rodapé

Referências

  • Ali, Abdullah Yusuf (1998). O Alcorão: Texto, tradução e comentário (em Inglês e árabe). Tahrike Tarsile Alcorão. ISBN  978-0-940368-31-6 .
  • Anon (1993). "Ética dos Pais: Chapter One" . Chabad.org . Retirado 1 de Agosto de, 2014 . 01:12 Hillel e Shamai recebido deles. Hillel dizia: Seja dos discípulos de Aaron - um amante da paz, um perseguidor de paz, aquele que ama as criaturas e chama-los perto de Torah.
  • Anon (2013). "O túmulo de Aaron, Petra" . Atlas Agência de Viagens e Turismo. Arquivado a partir do original em 26 de julho, 2008 . Retirado 29 Apr 2014 .
  • Bahá'u'lláh; 'Abdu'l-Bahá (1976). Escritos selecionados de Bahá'u'lláh e 'Abdu'l-Bahá . US Bahá'í Publishing Trust.
  • Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (2001) [1979]. Deveres e Bênçãos do Sacerdócio: Manual Básico para Portadores do Sacerdócio, Parte A . Salt Lake City, UT: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.
  • Freedman, David Noel; Beck, Astrid P .; Myers, Allen C., eds. (2000). "Aaron" . Eerdmans Dicionário da Bíblia . Grand Rapids, MI: William B. Eerdmans Publishing Company. pp. 1-2. ISBN  9780802824004 .
  • Glasse, Cyril (1989). "Aaron". Concise Encyclopedia of Islam . Harper & Row. ISBN  978-0-06-063123-9 .
  • Gutstein, Morris A. (1997). "Aaron". Em Johnston, Bernard. Enciclopédia do Collier . I: à Ameland (1ª ed.). New York, NY: PF Collier.
  • Harbor, Brian; Reed, Wilma; Tinsley, William (2005). O Evangelho de Lucas: Caminhando para Cross (Guia de Estudo Adulto) a . BaptistWay Press. ISBN  978-1-931060-69-1 .
  • Ibn Hisham, Abd al-Malik (1967) [1955]. A vida de Muhammad: A Tradução de de Ishaq Sirat Rasul Allah . Traduzido por A. Guillaume. Lahore, Paquistão: Paquistão Ramo Oxford University Press.
  • Kline, Fred R. (2010). "Aaron, Santo ao Senhor" . Galeria Kline .
  • Kohler, Kaufmann (1906). "Aaron - Em Apocryphal e Literatura Rabínica (Moisés e Arão Comparado) e (Death of Aaron)" . Em Cantor, Isidore. A Enciclopédia Judaica: um estudo descritivo registro da história, religião, literatura e costumes do povo judeu desde os primeiros tempos: Complete em doze volumes . Ktav Editora. ASIN  B000B68W5S .
  • Lings, Martin (1983). Muhammad: Sua Vida Com base nas fontes mais adiantadas . HarperCollins Publishers Ltd. ISBN  978-0-04-297050-9 .
  • Llah, Baha u (2003) [1861]. O Kitab-i-Iqán: O Livro da Certeza . Traduzido por Shoghi Effendi. Baha'i Pub. ISBN  978-1-931847-08-7 .
  • Mariottini, Dr. Claude (17 Março 2006). "A Priestly benção: Números 6: 24-26" . Dr. Claude Mariottini - Professor de Antigo Testamento . Retirado 1 de Maio de 2014 .
  • Mays, James L., ed. (2000) [1988]. O Comentário Bíblico Harper Collins (ed Revised.). San Francisco, CA: HarperSanFrancisco. ISBN  0-06-065548-8 .
  • McCurdy, J. Frederic (1906). Cantor, Isidore, ed. Aaron - Dados bíblica (morte) . A Enciclopédia Judaica: um estudo descritivo registro da história, religião, literatura e costumes do povo judeu desde os primeiros tempos: Complete em doze volumes . Ktav Editora. ASIN  B000B68W5S .
  • Galeria Nacional (2013). "A adoração do Bezerro de Ouro" . Galeria Nacional .
  • Olson, Dennis T. (2000). "Aaron". Em Freedman, David Noel; Myers, Allen C .; Beck, Astrid B. Eerdmans Dicionário da Bíblia (1ª ed.). Grand Rapids, MI: William B. Eerdmans Publishing Company. ISBN  978-0-8028-2400-4 .
  • Rockwood, Camilla, ed. (2007). "Aaron". Chambers dicionário biográfico (8ª ed.). Edinburgh, UK: Chambers Harrap Publishers LTC. ISBN  978-0550-10200-3 .
  • Souvay, Charles Leon (1913). "Aaron". Em Herbermann, Charles G .; Pace, Edward A .; Caído, Conde B .; Shahan, Thomas J .; Wynne, John J. A Enciclopédia Católica . I: A - Assize. New York, NY: Robert Appleton Co. pp 5-7.. ASIN  B006UETSQM .
  • Steinmetz, Sol (2005). "kohen" . Dicionário de Uso judaica: Um guia para o uso de termos judaicos . Lanham, MD: Rowman & Littlefield Publishers. pp. 95-96. ISBN  978-0-7425-4387-4 .
  • VanderKam, James C. (2004). De Joshua a Caifás: Sumos Sacerdotes depois do exílio . Minneapolis, MN: Augsburg Fortress Publishers. ISBN  0-8006-2617-6 .
  • Watts, James W. (2013). "Ilustrando Levítico: Arte, Ritual, Política". Recepção bíblica . 2 : 3-15.
  • Wells, John C. (1990). "Aaron". Longman Dicionário de Pronúncia . Harlow, UK: Longman. ISBN  978-0-582-05383-0 .
  • Wheeler, Brannon (2013). "Túmulo de Aaron" . usna.edu . Estados Unidos Academia Naval. Arquivado a partir do original em 24 de junho de 2008 . Retirado 29 Apr 2014 .

Outras leituras

Referências no Alcorão

links externos

títulos religiosos israelitas
novo título Sumo Sacerdote de Israel
Anos desconhecidos
Sucedido por
Eleazar