Frankenstein -Frankenstein


Da Wikipédia, a enciclopédia livre

Frankenstein;
ou, A Modern Prometheus
Frankenstein edição 1818 page.jpg título
Volume I, primeira edição
Autor Mary Shelley
País Reino Unido
Língua Inglês
Gênero Romance gótico , ficção de horror , ficção científica
Publicados 01 janeiro de 1818 (Lackington, Hughes, Harding, Mavor & Jones)
Páginas 280

Frankenstein; ou O Moderno Prometeu é um romance escrito por Inglês autor Mary Shelley (1797-1851), que conta a história de Victor Frankenstein , um jovem cientista que cria um hediondo sapiente criatura em um experimento científico pouco ortodoxa. Shelley começou a escrever a história quando ela tinha 18 anos, e a primeira edição do romance foi publicado anonimamente em Londres em 1 de Janeiro de 1818, quando ela tinha 20. Seu nome apareceu pela primeira vez na segunda edição, publicada em 1823.

Shelley viajou pela Europa em 1814, viajando ao longo do rio Reno na Alemanha, com uma parada em Gernsheim , que é de 17 quilômetros (11 milhas) de distância do Castelo de Frankenstein , onde, dois séculos antes, um alquimista estava envolvido em experimentos. Mais tarde, ela viajou na região de Genebra (Suíça) -onde grande parte da história se passa e o tema da galvanism e ocultas idéias eram temas de conversa entre os seus companheiros, especialmente seu amante e futuro marido, Percy Shelley . Mary, Percy e Lord Byron decidiu ter uma competição para ver quem poderia escrever o melhor horror história. Depois de pensar por dias, Shelley sonhou com um cientista que criou a vida e ficou horrorizado com o que ele tinha feito; seu sonho mais tarde evoluiu para a história do romance.

Frankenstein é infundida com elementos da novela gótica e o Romântico movimento. Ao mesmo tempo, é um dos primeiros exemplos de ficção científica . Brian Aldiss argumentou que deveria ser considerada a primeira história verdadeira ficção científica porque, em contraste com histórias anteriores com elementos fantásticos parecidos com os de ficção científica mais tarde, o personagem central "toma uma decisão deliberada" e "vira-se para experimentos modernos em laboratório "para alcançar resultados fantásticos. Ele teve uma influência considerável na literatura e na cultura popular e gerou um gênero completa de horror histórias, filmes e peças de teatro.

Desde a publicação do romance, o nome de "Frankenstein" tem sido muitas vezes usado para se referir ao próprio monstro. Esse uso é por vezes considerada errônea, mas comentaristas uso considerá-lo como bem estabelecida e aceitável. No romance, o monstro é identificadas por palavras tais como "criatura", "monstro", "demônio", "desgraçado", "aborto", "demônio" e "". Falando para Victor Frankenstein, o monstro diz "Eu deveria ser a tua Adam, mas eu sou melhor, o anjo caído" (que liga a Lúcifer em Paraíso Perdido , que o monstro lê, e que se relaciona com a desobediência de Prometheus no subtítulo do livro ).

resumo

Frankenstein é escrito na forma de uma história estrutura que começa com o capitão Robert Walton escrever cartas para sua irmã. Tem lugar em um tempo não especificado no século 18, como datas das cartas são dadas como '17-'. Na história seguinte as letras por Walton, os leitores descobrir que Victor Frankenstein cria um monstro que traz tragédia de sua vida.

narrativa quadro introdutório do Capitão Walton

O romance Frankenstein é escrito em forma epistolar , documentando uma correspondência fictícia entre o capitão Robert Walton e sua irmã, Margaret Walton Saville. Walton é um escritor falhado e capitão que se propõe a explorar o Pólo Norte e expandir seu conhecimento científico, na esperança de alcançar a fama. Durante a viagem, a tripulação avista um trenó do cão dirigido por uma figura gigantesca. Poucas horas depois, a tripulação resgata um homem quase congelado e magro chamado Victor Frankenstein . Frankenstein foi em busca do homem gigantesco observado pela equipe de Walton. Frankenstein começa a se recuperar de seu esforço; ele vê em Walton a mesma obsessão que o destruiu, e narra uma história de misérias de sua vida para Walton como um aviso. A história contada serve como moldura para a narrativa de Frankenstein.

A narrativa de Victor Frankenstein

Victor começa por dizer de sua infância. Nascido em Nápoles , Itália, em um rico Genebra família, Victor e seus irmãos, Ernest e William, todos os três sendo filhos de Alphonse Frankenstein pelo ex Caroline Beaufort, são encorajados a procurar uma maior compreensão do mundo através da química. Como um jovem garoto, Victor está obcecado com a estudar teorias ultrapassadas que incidem sobre simulando maravilhas naturais. Quando Victor é de cinco anos de idade, seus pais adotar Elizabeth Lavenza , a filha órfã de um nobre italiano expropriados, com quem Victor (supostamente) mais tarde se apaixona. Durante este período, os pais de Victor, Alphonse e Caroline, tomar mais um órfão, Justine Moritz, que se torna a babá de William.

Semanas antes de ele deixar para a Universidade de Ingolstadt , na Alemanha, sua mãe morre de escarlatina ; Victor enterra-se em suas experiências para lidar com a dor. Na universidade, ele se destaca em química e outras ciências, em breve o desenvolvimento de uma técnica secreta para dar vida à matéria não-viva. Eventualmente, ele compromete a criação de um humano, mas, devido à dificuldade em reproduzir as partes diminutas do corpo humano, Victor faz a criatura de altura, cerca de 8 pés (2,4 m) de altura e proporcionalmente grande. Apesar Victor selecionando suas características tão bonito, mediante animação a criatura é, ao invés hediondo, com olhos brancos lacrimejantes e pele amarela que mal esconde os músculos e vasos sanguíneos por baixo. Repulsa por seu trabalho, Victor foge quando ele desperta. Enquanto vagando pelas ruas, ele encontra seu amigo de infância, Henry Clerval, e leva Henry de volta para seu apartamento, com medo da reação de Henry se ele vê o monstro. No entanto, a criatura escapou.

Victor adoece a partir da experiência e é nutrido de volta à saúde por Henry. Após uma recuperação de quatro meses, ele volta para casa quando ele descobre sobre o assassinato de seu irmão William. Ao chegar em Genebra, Victor vê a criatura perto da cena do crime e escalar uma montanha, levando-o a acreditar que a sua criação é responsável. Justine Moritz, a babá de William, é condenado pelo crime após o medalhão de William, que continha um retrato em miniatura de Caroline, é encontrada em seu bolso. Victor é impotente para impedi-la de ser enforcado, como ele sabe que ninguém iria acreditar sua história.

Devastado pela dor e culpa, Victor foge para as montanhas. A criatura encontra-lo e pede para Victor ouvir seu conto.

A narrativa do Creature

Inteligente e articulada, a Criatura relata seus primeiros dias de vida, vivendo sozinho no deserto e descobrir que as pessoas tinham medo de e odiava devido à sua aparência, o que o levou a temer e esconder deles. Enquanto vivia em uma estrutura abandonada conectado a uma casa de campo, ele cresceu Amante da família pobre lá, e discretamente coletadas lenha para eles. Secretamente vivendo entre a família durante meses, a criatura aprendeu a falar, ouvindo-os e ele mesmo ensinou a ler depois de descobrir uma mochila perdida de livros na floresta. Quando ele viu seu reflexo em uma poça, ele percebeu que sua aparência física era horrível, e ela o aterrorizava, pois assusta os seres humanos normais. No entanto, ele se aproximou da família na esperança de se tornar seu amigo. Inicialmente ele foi capaz de fazer amizade com a figura do pai cego da família, mas o resto deles estavam assustados e todos eles fugiram de sua casa, resultando na Criatura deixando, decepcionado. Ele viajou para a propriedade da família de Victor usando detalhes do diário de Victor, assassinado William, e emoldurado Justine.

A criatura exige que Victor criar uma companheira como ele. Ele argumenta que como um ser vivo, ele tem o direito à felicidade. A criatura promete que ele e seu companheiro vai desaparecer no deserto sul-americano, para nunca mais reaparecer, se Victor concede seu pedido. Deve Victor recusar seu pedido, a criatura também ameaça matar amigos restantes de Victor e entes queridos e não parar até que ele completamente ruínas ele.

Temendo por sua família, Victor relutantemente concorda. A criatura diz que vai vigiar o progresso de Victor.

currículos narrativos de Victor Frankenstein

Clerval acompanha-o a Inglaterra , mas eles se separam por insistência de Victor em Perth , Escócia . Victor suspeita que a criatura é segui-lo. Trabalhando na criatura do sexo feminino nas Ilhas Orkney , ele é atormentado por premonições de desastre, como a fêmea odiando a criatura ou se tornando mais mal do que ele, mas mais particularmente as duas criaturas podem levar à criação de uma raça que poderia assolar a humanidade . Ele rasga a criatura do sexo feminino inacabada depois que vê a criatura, que tinha realmente seguido Victor, observando através de uma janela. A criatura mais tarde confronta e tenta ameaçar Victor para trabalhar novamente, mas Victor está convencido de que a criatura é o mal e que seu companheiro seria mal como bem, e o par iria ameaçar toda a humanidade. Victor destrói o seu trabalho ea criatura promete que vai "estar com [ele] em [seu] casamento noite". Victor interpreta isso como uma ameaça sobre a sua vida, acreditando que a criatura vai matá-lo depois que ele finalmente se torna feliz. Quando Victor terras na Irlanda , ele logo é preso por assassinato de Clerval, como a criatura tinha estrangulado Clerval à morte e deixou o cadáver para ser encontrado onde seu criador tinha chegado, fazendo com que o último a sofrer outro colapso mental na prisão. Depois de ser absolvido, Victor retorna para casa com seu pai, que restaurou a Elizabeth alguma da fortuna de seu pai.

Em Genebra, Victor está prestes a se casar com Elizabeth e se prepara para lutar contra a criatura para a morte, armando-se com pistolas e um punhal. A noite após o seu casamento, Victor pede Elizabeth para ficar em seu quarto enquanto ele procura por "o demônio". Enquanto Victor procura a casa e fundamentos expostos, o Creature estrangula Elizabeth até a morte. Da janela, Victor vê a criatura, que tauntingly aponta o cadáver de Elizabeth; Victor tenta matá-lo, mas a criatura escapa. Depois Victor recebe de volta a Genebra, o pai de Victor, enfraquecido pela idade e pela morte de seu precioso Elizabeth, morre poucos dias depois. Buscando vingança, Victor persegue a criatura ao Pólo Norte , mas entra em colapso de exaustão e hipotermia antes que ele pode encontrar sua presa.

conclusão do Capitão Walton

No final da narrativa de Victor, Capitão Walton retoma a narrativa da história, fechando a moldura em torno recontagem de Victor. Poucos dias depois que a criatura desapareceu, o navio fica preso no gelo e vários tripulantes morrem no frio, antes que o resto da tripulação de Walton insiste em retornar ao sul, uma vez que é liberado. Ao ouvir apelos da tripulação ao seu capitão, Victor, irritado, palestras-los com um discurso poderoso: é sofrimento, não o conforto e facilidade, que define empresa gloriosa como a deles; ele exorta-os a ser homens, não covardes. O navio é libertado e Walton, devido lo à vontade de seus homens, embora com pesar, decide voltar Sul. Victor, embora em estado muito fraco, afirma que ele vai continuar sozinho.

Victor morre pouco tempo depois, dizendo Walton, com suas últimas palavras, para buscar a "felicidade em tranquilidade e evitar ambição". Walton descobre a criatura em seu navio, chorando sobre o corpo de Victor. A criatura diz Walton que a morte de Victor não lhe trouxe paz; em vez disso, seus crimes tê-lo deixado completamente sozinho. A criatura promete se matar para que nenhum outro jamais saberá de sua existência. Walton relógios enquanto a criatura se afasta em uma jangada gelo que é breve "perdido na escuridão e distância", para nunca mais ser visto novamente.

fundo

O autor, Mary Shelley , teve uma vida trágica desde o início. A mãe de Shelley, Mary Wollstonecraft , morreu logo após dar à luz seu. Desde Shelley não sabia que sua mãe a fez ter uma estreita ligação com o pai. O pai de Shelley, William Godwin , contratou uma enfermeira para cuidar dela e sua meia-irmã, mas ela saiu e seu pai acabou de se casar novamente. A madrasta de Shelley não gostou da ligação estreita Shelley teve com seu pai. Isso fez com que Godwin para favorecer suas outras duas filhas e filhos. No entanto, nenhum dos negligência parou Shelley de se tornar o grande autor estava.

Seu pai era um famoso autor a si mesmo e sua educação foi de grande importância. Shelley cresceu rodeado por muitos escritores e pessoas de importância política por causa de seu pai diferentes. Isto inspirou sua autoria em uma idade precoce. Shelley conheceu Percy Bysshe Shelley , que mais tarde se tornou seu marido, com a idade de dezesseis anos, enquanto ele estava visitando com seu pai em sua casa. Seu pai não concordava com seu relacionamento, para que fugiu para a França junto com sua irmã, Jane. Mais tarde, ela deu à luz seu primeiro filho e logo depois perdeu a criança.

Maria e Percy foi embora com Jane para visitar sua amante Lord Byron , em Genebra durante o verão. Percy e Mary se tornaram bons amigos com Byron e usou seu tempo com ele para discutir literatura, política e ciência. Uma noite, depois de ser preso na casa por causa de tempestades Byron sugeriu que todos eles têm uma competição de escrever a melhor história de fantasmas. Isto é como Frankenstein foi trazido à vida. Mary tinha dezoito anos quando escreveu este romance. Shelley ganhou a competição por sua criação do romance, Frankenstein.

Influências literárias

Início de Lord Byron, onde Frankenstein foi criado
Início do Senhor Bryon em Genebra.

Shelley foi fortemente influenciado por ambos os pais funciona. Seu pai era famoso por Enquiry Concerning Political Justice e sua mãe famosa por uma demonstração dos direitos da mulher . Romances de seu pai também influenciou sua escrita de Frankenstein . Esses romances incluídos coisas como elas são; ou, as aventuras de Caleb Williams , St. Leon, e Fleetwood . Todos estes livros foram criados na Suíça, similar à configuração em Frankenstein. Alguns dos principais temas de afetos sociais e da renovação da vida que aparecem no tronco romance de Shelley destas obras que ela tinha em sua posse. Outras influências literárias que aparecem no Frankenstein são Pygmalion (play) e Ovídio com o uso de uma inteligência falta individual e aqueles indivíduos que identificam os problemas com a sociedade. Ovídio também inspira o uso de Prometheus no título de Shelley.

Seu tempo gasto com Lord Byron, Percy Shelley, seu bebê, e sua irmã Jane influenciou a sua criação de Frankenstein também. A discussão de Percy e Bryon sobre a vida ea morte rodeado muitos gênios científicos da época. Eles discutiram idéias de Charles Darwin e as experiências de Luigi Galvani . Mary ouviu atentamente a estas conversas e as idéias de Darwin e Galvani estavam presentes em seu romance. Os horrores de não ser capaz de escrever uma história para o concurso e sua vida difícil também influenciou os temas dentro de Frankenstein. Os temas da perda, culpa, e as conseqüências de desafiar a natureza presente no romance todos desenvolvidos a partir da própria vida de Mary Shelley. A perda de sua mãe, a relação com seu pai, e a morte de seu primeiro filho criado o monstro e sua separação de orientação dos pais. Culpa resultou de que ela não se sentir bem o suficiente para Percy por causa da perda de seu filho.   

Personagens

  • Victor Frankenstein  - protagonista e narrador da maior parte da história. Cria o monstro.
  • A criatura (o monstro de Frankenstein)  - A criatura hedionda criado por Victor Frankenstein.
  • Sra Margaret Saville  - Residente da Inglaterra. Irmã de Robert Walton. Destinatário de cartas escritas por ele.
  • Capitão Robert Walton  - capitão do barco que pegou Victor. Irmão da Sra Margaret Saville, e escritor de cartas endereçadas a ela.
  • Beaufort  - A Merchant. O pai de Caroline Beaufort. Um dos amigos mais íntimos de pai de Victor.
  • Caroline Beaufort  - filha de Beaufort, mãe de Victor.
  • Ernest  - irmão de Victor. Sete anos mais jovens do que Victor.
  • Henry Clerval  - o melhor amigo de Victor desde a infância. O filho de um comerciante de Genebra.
  • Justine Moritz  - Filha de Madame Moritz. Se mudou com a família Frankenstein na idade de 12, e enforcado pelo assassinato de William.
  • Elizabeth Lavenza  - Filha de um nobre Milanese. Sua mãe era uma alemã e tinha morrido em dar à luz seu. Criado como “primo” de Victor em casa Frankenstein.
  • William  - irmão mais novo de Victor.
  • M. Krempe  - professor de filosofia natural na universidade de Ingolstadt. Ele era um homem rude, mas profundamente imbuídos nos segredos da sua ciência. Influenciado Victor.
  • M. Waldman  - Um professor, em Ingolstadt. Influenciado Victor.
  • Agatha  - Filha de De Lacey. A irmã de Felix.
  • Felix  - Filho de De Lacey.
  • De Lacey  - velho cego descendente de uma boa família na França. Pai de Agatha e Felix. Sua família foi observado pelo monstro, e sem o conhecimento deles, o ensinou a falar e ler.
  • Safie  - filha de um comerciante turco e árabe cristão.
  • Mr. Kirwin  - Um magistrado.
  • Daniel Nugent  - Uma testemunha contra Victor em seu julgamento por assassinato.

Composição

Projecto de Frankenstein ( "Foi em uma noite triste de novembro que vi meu homem concluída ...")

Como eu, então uma jovem, chegou a pensar, e para dilatar em cima, tão hediondo uma ideia?

-  Mary Shelley

Durante o verão chuvoso de 1816, o " ano sem verão ", o mundo foi trancado em um longo e frio inverno vulcânico causada pela erupção do Monte Tambora em 1815. Mary Shelley , de 18 anos, e seu amante (e marido mais tarde) Percy Bysshe Shelley visitou Lord Byron na Villa Diodati pelo Lago de Genebra , na Suíça. O clima foi consistentemente muito frio e sombrio que o verão para desfrutar das atividades de férias ao ar livre que haviam planejado, para que o grupo se aposentou dentro até o amanhecer.

Sentados em torno de uma lareira na casa de Byron, a empresa se divertiam lendo histórias de fantasmas alemães traduzido para o francês do livro Fantasmagoriana , então Byron propôs que "cada escrever uma história de fantasmas". Incapaz de pensar em uma história, jovem Mary tornou-se ansioso: " ? Você já pensou em uma história I foi solicitado a cada manhã, e todas as manhãs eu fui forçado a responder com uma negativa humilhante." Durante uma noite no meio do verão, as discussões se voltaram para a natureza do princípio da vida. "Talvez um cadáver seria re-animação", Mary observou, " galvanism tinha dado sinal de tais coisas". Foi depois da meia-noite antes que se aposentou, e incapaz de dormir, ela foi possuído por sua imaginação quando ela viu os "terrores sombrias" de sua "sonho acordado".

Eu vi o aluno pálido das artes profanas ajoelhado ao lado da coisa que ele tinha reunido. Eu vi o fantasma hediondo de um homem estendido, e, em seguida, sobre o trabalho de algum poderoso motor, mostrar sinais de vida, e mexa com um movimento inquieto, meio vital. Frightful deve-o ser; para supremamente terrível seria o efeito de qualquer esforço humano para zombar o mecanismo estupenda do Criador do mundo.

Em setembro de 2011, o astrônomo Donald Olson, depois de uma visita à casa de campo Lago de Genebra do ano anterior e os dados de inspeção sobre o movimento da lua e das estrelas, concluiu que seu "sonho acordado" ocorreu "duas horas - três horas" em 16 junho 1816, vários dias após a idéia inicial por Lord Byron que cada um escrever uma história de fantasmas.

Ela começou a escrever o que ela assumiu seria uma história curta. Com o encorajamento de Percy Shelley, ela expandiu o conto em um romance de pleno direito. Mais tarde ela descreveu que o verão na Suíça como o momento "quando eu pisei primeiro a sair da infância para a vida". Shelley escreveu os primeiros quatro capítulos nas semanas após o suicídio de sua meia-irmã Fanny. Esta foi uma das muitas tragédias pessoais que influenciaram a obra de Shelley. Primeiro filho de Shelley morreu na infância, e quando ela começou a compor Frankenstein em 1816, ela foi provavelmente enfermagem seu segundo filho, que também seria morto a Frankenstein publicação 's.

Byron conseguiu escrever apenas um fragmento com base nos vampiros lendas que ouviu enquanto viajava os Balcãs , ea partir desta John Polidori criado The Vampyre (1819), o progenitor do romântico vampiro gênero literário. Assim, duas contos de terror seminais originado a partir do conclave.

O grupo falou sobre Iluminismo e Counter-iluministas idéias também. Shelley acredita a idéia iluminista de que a sociedade poderia progredir e crescer se os líderes políticos usaram seus poderes de forma responsável; no entanto, ela também acreditava que o ideal romântico que mal utilizado poder poderia destruir a sociedade (Bennett 36-42).

Shelly escreveu grande parte do livro, enquanto que residem em uma casa de habitação no centro de Bath , em 1816.

Manuscritos de Shelley para a primeira edição de três volumes em 1818 (escrito 1816-1817), bem como a cópia justa para sua editora, estão agora alojados na Biblioteca Bodleian , em Oxford . A Bodleian adquiriu os papéis em 2004, e eles pertencem agora ao Abinger Collection. Em 2008, a Bodleian publicou uma nova edição de Frankenstein , editado por Charles E. Robinson, que contém comparações de texto original de Mary Shelley com adições e intervenções de Percy Shelley ao lado.

Publicação

Shelley completou sua escrita em Abril / Maio de 1817, e Frankenstein; ou O Moderno Prometeu foi publicado em 1 de janeiro de 1818 pela pequena editora de Londres Lackington, Hughes, Harding, Mavor, & Jones. Foi emitido anonimamente, com um prefácio escrito por Mary por Percy Bysshe Shelley e com uma dedicação ao filósofo William Godwin , seu pai. Foi publicado em uma edição de apenas 500 cópias em três volumes, o padrão " triple-decker formato" para as primeiras edições do século 19.

Uma variedade de diferentes edições

A segunda edição do Frankenstein foi publicado em 11 de agosto de 1823 em dois volumes (por G. e WB Whittaker), após o sucesso da peça de teatro Presunção; ou, o destino de Frankenstein por Richard Brinsley Peake . Esta edição creditado Mary Shelley como o autor do livro em sua página título.

Em 31 de outubro de 1831, a primeira edição "popular" em um volume apareceu, publicado por Henry Colburn & Richard Bentley. Esta edição foi fortemente revisto por Mary Shelley, parcialmente para tornar a história menos radical. Ele incluiu um novo prefácio longo pelo autor, apresentando uma versão um pouco embelezada da gênese da história. Esta edição é a mais amplamente publicado e lido agora, apesar de algumas edições seguir o texto 1818. Alguns estudiosos preferem a versão original, argumentando que ele preserva o espírito da visão de Mary Shelley (ver Anne K. Mellor "Escolher um texto de Frankenstein para Ensinar" na WW Norton edição crítica).

Em 2008, uma nova edição do romance, intitulado The Frankenstein original , editado por Charles E. Robinson, foi publicado. Robinson analisou o manuscrito original por Mary Shelley e observou as edições que Percy Bysshe Shelley feitas a ele.

Frankenstein eo Monstro

A criatura

Um editorial Inglês cartunista concebe o Irish movimento Fenian como semelhante a criatura de Frankenstein, na esteira dos assassinatos Phoenix Parque em um 1882 emissão de perfurador .

Parte da rejeição da sua criação de Frankenstein é o fato de que ele não dar-lhe um nome, o que provoca uma falta de identidade. Em vez disso, é referido por palavras tais como "infeliz", "monstro", "criatura", "demônio", "diabo", "demônio", e "". Quando Frankenstein conversa com a criatura no capítulo 10, ele se dirige a ele como "inseto vil", "abominou monstro", "demônio", "demônio miserável" e "diabo abominou".

Durante uma narração de Frankenstein , Shelley refere à criatura como " Adam ". Shelley estava se referindo ao primeiro homem no Jardim do Éden , como na sua epígrafe:

Será que eu te pedi, ó Criador, da minha argila
Para moldar-me o homem? Solicitei a ti,
Da escuridão para me promover?
John Milton , Paradise Lost (X. 743-5)

Embora a criatura seria descrito em trabalhos posteriores como um composto de partes de corpo inteiro enxertados em conjunto de cadáveres e reanimados pelo uso de eletricidade , esta descrição não é consistente com o trabalho de Shelley; tanto o uso de eletricidade e a imagem de paralelepípedos-together do monstro de Frankenstein foram mais o resultado de James Whale Popular 1931 's adaptação cinematográfica da história , e outra moção-picture primeiros trabalhos baseada na criatura. No trabalho original de Shelley, Dr. Frankenstein descobre um princípio anteriormente desconhecido, mas elementar da vida, e esse insight que lhe permite desenvolver um método para imbuir vitalidade na matéria inanimada, embora a natureza exata do processo é deixado em grande parte ambígua. Depois de uma grande quantidade de hesitação em exercício deste poder, Frankenstein passa dois anos meticulosamente construir proporcionalmente grande corpo da criatura (uma característica anatômica de cada vez, a partir de matérias-primas fornecidas pela "sala de dissecação e o matadouro"), que ele, em seguida, traz à vida usando seu processo não especificado.

A criatura tem sido muitas vezes erroneamente chamado de "Frankenstein". Em 1908, um autor disse "É estranho notar como quase universalmente o termo 'Frankenstein' é mal utilizado, mesmo por pessoas inteligentes, como a descrição de alguns monstro horrível". Edith Wharton 's The Reef (1916) descreve uma criança rebelde como uma "criança Frankenstein". David Lindsay "O ornamento de panela" 's, publicado em The Rover , 12 de junho de 1844, mencionou "o fabricante de má Frankenstein". Após o lançamento do cinematográfica de Whale Frankenstein , o público em geral começou a falar da própria criatura como "Frankenstein". Isto também ocorre em filmes Frankenstein, incluindo noiva de Frankenstein (1935) e várias películas subsequentes, bem como em títulos de filmes, tais como Abbott e Costello reunião Frankenstein . Além disso, o filme 1939 Filho de Frankenstein introduziu um assistente de laboratório mal, Ygor ( Bela Lugosi ), que nunca existiu na narrativa original.

O nome de Victor Frankenstein

Mary Shelley sustentou que ela deriva o nome Frankenstein de um sonho-visão. Apesar de suas reivindicações públicas de originalidade, no entanto, uma série de outras fontes têm sido sugeridos como inspiração real de Shelley. O nome alemão Frankenstein significa "pedra da Franks ", e está associada com vários lugares na Alemanha, incluindo Castelo Frankenstein ( Burg Frankenstein ) em Darmstadt , Hesse , e Frankenstein Castle in Frankenstein , uma cidade no Palatinado . Há também um castelo chamado Frankenstein em Bad Salzungen , Thuringia, e um município chamado Frankenstein na Saxônia. Até 1945, Ząbkowice Śląskie , agora uma cidade em Baixa Silésia , Polónia , foi povoada principalmente por alemães e nomeado Frankenstein em alemão, e foi o local de um escândalo envolvendo coveiros em 1606, que tem sido sugerida como uma inspiração para o autor. Finalmente, o nome fica a cargo do aristocrática Casa de Franckenstein de Franconia .

Radu Florescu argumenta que Mary e Percy Shelley visitou Frankenstein Castle perto de Darmstadt em 1814 durante o seu regresso a Inglaterra de sua fuga para a Suíça. Foi nesse castelo que um alquimista notório, Conrad Dippel , tinha experimentado com corpos humanos, e Florescu argumenta que Mary suprimida menção de sua visita, a fim de manter sua reivindicação pública de originalidade. Um ensaio literário por A. J. Dia apoia a posição da Florescu que Mary Shelley conhecia e visitou Frankenstein Castelo antes de escrever seu romance de estréia. Dia inclui detalhes de um suposto descrição do castelo de Frankenstein que existe em revistas 'perdido' de Mary Shelley. De acordo com Jörg Heléne, das revistas perdidos ", bem como as alegações de Florescu, não pode ser verificada.

Uma possível interpretação do nome Victor é derivado de Paradise Lost por John Milton , uma grande influência sobre Shelley (a citação de Paradise Lost está na página de abertura Frankenstein e Shelley ainda tem o monstro-se lê-lo). Milton freqüentemente refere-se a Deus como "Victor" no Paradise Lost , e Shelley vê Victor como brincar de Deus através da criação de vida. Além disso, o retrato do monstro de Shelley deve muito ao caráter de Satanás em Paraíso Perdido ; de fato, o monstro diz, depois de ler o poema épico, que simpatiza com o papel de Satanás na história.

Há muitas semelhanças entre Victor e Percy Shelley, o marido de Maria. Victor era um pseudônimo de Percy Shelley, como na coleção de poesia que ele escreveu com sua irmã Elizabeth, poesia original pelo vencedor e Cazire . Há especulações de que um dos modelos de Mary Shelley para Victor Frankenstein era Percy, que em Eton tinha "experimentado com eletricidade e magnetismo, bem como com pólvora e numerosas reações químicas", e cujos quartos em Oxford foram preenchidos com equipamento científico.

Percy Shelley foi o primeiro filho de um latifundiário país rico com fortes ligações políticas e descendente de Sir Bysshe Shelley , 1o Baronet de Castelo Goring , e Richard Fitzalan, 10o conde de Arundel . A família de Victor é um dos mais ilustres dessa república e seus ancestrais eram conselheiros e síndicos . Percy tinha uma irmã chamada Elizabeth; Victor tinha uma irmã adotiva chamada Elizabeth.

Em 22 de Fevereiro de 1815, Mary Shelley deu à luz a um bebê de dois meses prematuramente, eo bebê morreu duas semanas depois. Percy não se preocupam com a condição de este bebê prematuro e saiu com Claire, meia-irmã de Mary, para um caso escabroso. Quando Victor viu a criatura vir a vida fugiu do apartamento, embora a criatura recém-nascido se aproximou dele, como uma criança um pai. A questão da responsabilidade de Victor para a criatura é um dos principais temas do livro.

Modern Prometheus

O Moderno Prometeu é o subtítulo do romance (embora algumas edições modernas agora cair o subtítulo, mencioná-lo apenas em uma introdução). Prometheus , em versões posteriores da mitologia grega, era o Titan que criou a humanidade a mando de Zeus . Ele fez um ser à imagem dos deuses que poderiam ter um espírito soprou-lo. Prometeu ensinou o homem a caçar, ler, e curar os enfermos, mas depois que ele enganou Zeus a aceitar ofertas de má qualidade dos seres humanos, Zeus manteve fogo da humanidade. Prometeu, sendo o criador, tomou de volta o fogo de Zeus para dar ao homem. Quando Zeus descobriu isso, ele condenado Prometheus a ser eternamente punido, fixando-o a uma rocha do Cáucaso , onde a cada dia uma águia se bicar o seu fígado, apenas para o fígado para regenerar o dia seguinte por causa de sua imortalidade como um deus. Ele tinha a intenção de sofrer sozinho para a eternidade, mas finalmente Heracles ( Hércules ) soltou.

Prometeu também foi um mito disse em latim, mas era uma história muito diferente. Nesta versão Prometheus faz o homem de argila e água, novamente um tema muito relevante para Frankenstein , como rebeldes Victor contra as leis da natureza (como a vida é feita naturalmente) e, como resultado é punido por sua criação.

Em 1910, Edison Studios lançou a primeira adaptação cinematográfica da história de Shelley.

O Titan na mitologia grega de Prometeu paralelo Victor Frankenstein. O trabalho de Victor por criar o homem por novos meios reflete o mesmo trabalho inovador da Titan na criação de seres humanos.

Alguns argumentaram que Mary Shelley viu Prometheus não como um herói, mas sim como algo de um diabo, e culpou-o por trazer fogo para o homem e, assim, seduzir a raça humana para o vício de comer carne (fogo trouxe cozinhar que trouxe a caça e matança) .

Byron foi particularmente ligado à peça Prometeu Acorrentado por Ésquilo , e Percy Shelley logo escrever seu próprio Prometheus Unbound (1820). O termo "Modern Prometheus" foi realmente inventado por Immanuel Kant em referência a Benjamin Franklin e seus experimentos com eletricidade.

fontes de Shelley

Shelley incorporou um número de diferentes fontes em seu trabalho, um dos quais foi a Promethean mito de Ovídio . A influência de John Milton 's Paradise Lost , e Samuel Taylor Coleridge ' s The Rime of the Ancient Mariner , também são claramente evidentes dentro do romance. Mary é provável que tenha adquirido algumas idéias para o personagem de Frankenstein de Humphry Davy livro 's Elementos de Filosofia Química , no qual ele havia escrito que "a ciência tem ... conferido ao homem poderes que podem ser chamados criativo; que lhe permitiu mudar e modificar os seres ao seu redor ... ". As referências à Revolução Francesa executado através do romance; uma possível fonte pode estar em François-Félix Nogaret  [ fr ] 's Le Miroir des événemens Actuels, ou la au Belle mais offrant (1790): uma parábola política sobre o progresso científico com um inventor chamado Frankestein que cria um autômato em tamanho real.

1816 poema "de Percy Bysshe Shelley mutabilidade " também é citado e seu tema do papel do subconsciente é discutido em prosa. A criatura também cita uma passagem do poema. Seu nome nunca apareceu como o autor do poema embora outros poetas são citados por nome na novela, o que implica que Maria escreveu o poema e desenvolveu as idéias psicológicas. Outra razão potencial é para esconder suas contribuições para o romance.

Nos últimos trinta anos ou mais, muitos escritores e historiadores têm tentado associar vários filósofos naturais, então populares (agora chamado de cientistas físicos) com o trabalho de Shelley por conta de várias semelhanças notáveis. Dois dos filósofos naturais mais notáveis entre os contemporâneos de Shelley foram Giovanni Aldini , que fez muitas tentativas públicas de reanimação humana através galvanismo bio-elétrico em Londres e Johann Konrad Dippel , que era suposto ter química desenvolvido meios para estender o tempo de vida dos seres humanos. Enquanto Shelley era, obviamente, ciente de ambos estes homens e suas atividades, ela não faz nenhuma menção ou referência a eles ou seus experimentos em qualquer de suas notas publicadas ou divulgadas.

Recepção

Ilustração por Theodor von Holst do frontispício da edição de 1831

Frankenstein foi tanto bem recebido e ignorado desde a sua publicação anônima em 1818. Revisões críticas de que o tempo demonstrar esses dois pontos de vista, juntamente com a especulação confusos quanto à identidade do autor. O Belle Assemblée descrito o novo como "ficção muito negrito" (139). A Quarterly Review afirmou que "o autor tem o poder de ambos concepção e linguagem" (185). Sir Walter Scott , escrevendo no compartimento do Edimburgo do Blackwood , felicitou "gênio do autor original e poder de expressão feliz" (620), embora ele é menos convencido sobre a maneira pela qual os ganhos monstro conhecimento sobre o mundo e linguagem. A Revista de Edimburgo e Literário Miscelânea esperava ver "mais produções deste autor" (253). Por outro lado, o Quarterly Review descreveu "um tecido de absurdo horrível e repugnante".

Em dois outros comentários onde o autor é conhecido como a filha de William Godwin, a crítica do romance faz referência à natureza feminina de Mary Shelley. O crítico britânico ataca falhas do romance como a culpa do autor: "O escritor é que, entendemos, uma fêmea; este é um agravamento do que é a falha predominante do romance, mas se a nossa autora pode esquecer a gentileza de seu sexo, não é nenhuma razão pela qual devemos, e devemos, portanto, descartar o romance sem mais comentários"(438). A Literary Panorama e National Register ataca o romance como uma "imitação fraca dos romances de Mr. Godwin" produzidos pela "filha de um romancista vivo célebre" (414). Apesar dos comentários, Frankenstein alcançou um sucesso popular quase imediata. Ele se tornou amplamente conhecido especialmente por meio de adaptações-Mary teatrais melodramáticos Shelley viu uma produção de presunção; ou The Fate of Frankenstein , uma peça de Richard Brinsley Peake , em 1823. A tradução francesa apareceu tão cedo quanto 1821 ( Frankenstein: ou le Prométhée Moderne , traduzido por Jules Saladin).

A recepção crítica de Frankenstein tem sido largamente positivo desde meados do século 20. Principais críticos como MA Goldberg e Harold Bloom têm elogiado a relevância "estético e moral" do romance, embora haja também críticos como Germaine Greer , que criticou o romance como terrível devido a defeitos técnicos e narrativos (como ele Com três narradores que falam da mesma forma). Em anos mais recentes o romance tornou-se um tema popular para a crítica psicanalítica e feminista: Lawrence Lipking afirma: "[E] ven a lacaniana subgrupo de crítica psicanalítica, por exemplo, produziu pelo menos meia dúzia de leituras discretas do romance". O romance, hoje, é geralmente considerada como uma obra de referência da literatura romântica e gótica, bem como ficção científica.

O diretor de cinema Guillermo del Toro descreve Frankenstein como "o livro adolescente por excelência", acrescentando: "Você não pertence. Você foi trazido a este mundo por pessoas que não se importam para você e você é jogado em um mundo de dor e sofrimento, e lágrimas e fome. é um livro incrível escrito por uma adolescente. é alucinante ". Professor de filosofia Patricia MacCormack diz a criatura, trazido à vida por Victor Frankenstein, aborda as questões humanas mais fundamentais: "É a idéia de pedir seu fabricante que sua finalidade é Por que estamos aqui, o que podemos fazer.?"

trabalhos derivados

Existem inúmeros romances recontar ou continuar a história de Frankenstein e seu monstro.

Filmes, peças de teatro e televisão

Uma foto de Charles Ogle como o monstro em Frankenstein (1910)
Uma foto promocional de Boris Karloff , como o monstro de Frankenstein, usando de Jack Pierce projeto maquiagem

adaptações soltos

  • 1967: Eu sou pesaroso a ponte está fora, você vai ter que passar a noite e sua continuação, Frankenstein Unbound (Outro Musical Monstro) , são um par de comédias musicais escritas por Bobby Pickett e Sheldon Allman . Os elencos de ambos apresentam várias personagens clássicos de terror, incluindo Dr. Frankenstein e seu monstro.
  • 1973: O Rocky Horror Show , é um britânico horror comédia musical fase escrito por Richard O'Brian em que o Dr. Frank N. Furter criou uma criatura (Rocky), para satisfazer suas (pro) unidades criativas. Elementos são semelhantes aos que eu sou pesaroso a ponte está fora, você vai ter que passar a noite .
  • 1973 de Andy Warhol Frankenstein . Normalmente, Frankenstein é um homem cuja dedicação à ciência leva muito longe, mas aqui o seu interesse é para governar o mundo através da criação de uma nova espécie que lhe obedecem e fazer o seu lance.
  • 1974: Young Frankenstein . Dirigido por Mel Brooks, esta sequela-paródia foi listado como um dos melhores comédias filmes de qualquer gênero comédia de todos os tempos, mesmo levando um programa de preservação de filmes americanos para incluí-lo em suas listas. Ele reutiliza muitos adereços de James Whale 1931 Frankenstein e é baleado em branco em preto-e-com créditos 1930 de estilo. Gene Wilder retratado o descendente de Dr. Frankenstein (que insiste em pronunciá-lo "Fronkonsteen"), com Peter Boyle como o monstro.
  • 1975: The Rocky Horror Picture Show é o filme 1975 adaptação do britânico de rock stageplay musical , The Rocky Horror Show (1973), escrito por Richard O'Brien .
  • 1984: FRANKENWEENIE é um curto filme paródia dirigido por Tim Burton , estrelado Barrett Oliver , Shelley Duvall e Daniel Stern .
  • 1985: A noiva estrelado por Sting como Baron Charles Frankenstein e Jennifer Beals como Eva , uma mulher que ele cria na mesma forma como seu infame monstro .
  • 1986: gótico , dirigido por Ken Russell , é a história da noite em que Mary Shelley deu à luz Frankenstein . Estrelado por Gabriel Byrne , Julian Sands , Natasha Richardson .
  • 1988: Frankenstein (フランケンシュタイン) é uma manga de adaptação do livro de Shelley por Junji Ito .
  • 1989: Frankenstein o Panto . A pantomima roteiro de David Swan, combinando elementos de Frankenstein, Drácula , e panto tradicional britânica.
  • 1990: Frankenstein Unbound . Combina uma história de viagem no tempo com a história do romance de Shelley. Cientista Joe Buchanan acidentalmente cria um time-rift que o leva de volta para os eventos do romance. Filmado como um filme independente de baixo orçamento em 1990, baseado em um romance publicado em 1973 por Brian Aldiss . Este novo tem qualquer relação com o musical 1967 fase com o mesmo nome listados acima.
  • 1991: Khatra (filme) é um Hindi filme de Bollywood feita pelo diretor HN Singh vagamente baseado na história, Frankenstein.
  • 1995: Monster Mash é uma adaptação cinematográfica de Eu sou pesaroso a ponte está fora, você vai ter que passar a noite estrelado por Bobby Pickett como Dr. Frankenstein. O filme também apresenta Candace Cameron Bure , Anthony Crivello e Mink Stole .
  • 1998: Billy Frankenstein é uma adaptação muito solto sobre um menino que se muda para uma mansão com sua família e traz o monstro de Frankenstein para a vida. O filme foi dirigido por Fred Olen Ray .
  • 2003: Reading Frankenstein , um novo trabalho de desempenho de mídia em que Mary Shelley é um engenheiro genético e cientista vida artificial e sua criatura uma forma híbrida de computacional a-vida. Ele foi co-criado pelo diretor Annie Loui e artista-escritor Antoinette LaFarge para UC Irvine .
  • 2004: Frankenstein feito para a TV filme baseado em Frankenstein de Dean Koontz .
  • 2005: Frankenstein contra o Criatura do sangue Cove , a 90 minutos de homenagem filme de monstros clássicos e características criatura Atomic Age, filmado em preto e branco, e dirigido por William Winckler . O monstro de Frankenstein projeto e fazer-up foi com base nas descrições personagem do romance de Mary Wollstonecraft Shelley.
  • 2009: O Diário de Anne Frankenstein , um curta-metragem de Chillerrama.
  • 2009: Anuman Interativo (editora francesa) lança Frankestein , um jogo de objetos escondidos livremente inspirado no livro de Mary Shelley, no iPhone e iPad .
  • 2011: Frankenstein: Dia da Besta é um filme de terror independente vagamente baseado em livro original.
  • 2011: Victor Frankenstein aparece no ABC mostram Once Upon a Time , uma série de fantasia em ABC que apresenta vários personagens de contos de fadas e literatura clássica preso no mundo real.
  • 2012: Frankenweenie , remake filme de Tim Burton de seu 1984 curta-metragem de mesmo nome.
  • 2012: No Adventure Time episódio " Monstro esposa, a Princesa ", o Rei Ice remove partes do corpo de todas as princesas que o rejeitaram e cria uma esposa quebra-cabeças para amá-lo.
  • 2012: A Nightmare on Lime Street , Fred Lawless jogo comédia 's estrelado por David Gest encenada no Royal Court Theatre, Liverpool .
  • 2014: I, Frankenstein é um filme de ação 2014 fantasia. O filme é estrelado Aaron Eckhart como Adam Frankenstein e Bill Nighy . O filme é baseado no romance gráfico.
  • 2014: Frankenstein, MD , um show na web por Pemberly Digital estrelado por Victoria, uma adaptação feminina de Victor.
  • 2015: O Supernatural temporada 10 episódios Book of the Damned , Dynasty escuro e The Prisoner apresentam a Família Styne qual membro Eldon Styne identifica como os descendentes da casa de Frankenstein. De acordo com Eldon, Mary Shelley tinha aprendido os seus segredos durante uma visita ao Castelo de Frankenstein e escreveu um livro baseado em suas experiências, forçando os Frankensteins subterrânea como o Stynes. O Stynes, através de bioengenharia e melhorias cirúrgicos, apresentam muitas das características sobre-humanas do monstro de Frankenstein.
  • 2015: O Frankenstein Chronicles é uma série dramática de televisão britânica, estrelado por Sean Bean como John Marlott e Anna Maxwell Martin como Mary Shelley.
  • 2016: Second Chance , uma série de TV conhecido em um ponto como Frankenstein , foi inspirado pelo clássico.

Veja também

Notas

Referências

  • Aldiss, Brian W. "A Origem das Espécies: Mary Shelley". Especulações sobre Especulação: Teorias da ficção científica . Eds. James Gunn e Matthew Candelaria. Lanham, Maryland: Espantalho de 2005.
  • Baldick, Chris. Na Sombra de Frankenstein: Mito, Monstrosity, e Escrita Nineteenth-Century . Oxford: Oxford University Press, 1987.
  • Bann, Stephen, ed. "Frankenstein": Criação e Monstrosity . Londres: reacional de 1994.
  • Behrendt, Stephen C., ed. Enfoques de ensino Shelley "Frankenstein" . New York: MLA, 1990.
  • Bennett, Betty T. e Stuart Curran, eds. Mary Shelley em seus tempos . Baltimore: Johns Hopkins University Press , 2000.
  • Bennett, Betty T. Mary Wollstonecraft Shelley: Uma Introdução. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1998. ISBN  0-8018-5976-X .
  • Bohls, Elizabeth A. "padrões de gosto, Discursos de 'Race', ea educação estética de um monstro: Crítica do Império em Frankenstein ". Do século XVIII Vida 18,3 (1994): 23-36.
  • Botting, Fred. Fazendo Monstrous: "Frankenstein", Crítica, Teoria . New York: St. Martin, 1991.
  • Chapman, D. que ela não impossível: Um estudo da construção de gênero e individualismo em Frankenstein de Mary Shelley , UK: Conceito, 2011. ISBN  978-1480047617
  • Clery, EJ gótico das mulheres: De Clara Reeve para Mary Shelley . Plymouth: Northcote Casa, 2000.
  • Conger, Syndy M., Frederick S. Frank, e Gregory O'Dea, eds. Saídas iconoclastas: Mary Shelley depois de "Frankenstein": Ensaios em homenagem ao bicentenário do nascimento de Mary Shelley . Madison, New Jersey: Fairleigh Dickinson University Press , 1997.
  • Donawerth, Jane. Filhas de Frankenstein: Mulheres que escrevem ficção científica . Syracuse: Syracuse University Press , 1997.
  • Douthwaite, Julia V. "O Frankenstein da Revolução Francesa", capítulo dois de The Frankenstein de 1790 e outros Lost Chapters de França revolucionária . Chicago: University of Chicago Press, 2012.
  • Dunn, Richard J. "Narrativa Distância em Frankenstein ". Estudos no Novel 6 (1974): 408-17.
  • Eberle-Sinatra, Michael, ed. Ficções de Mary Shelley: de "Frankenstein" para "Falkner" . New York: St. Martin Imprensa de 2000.
  • Ellis, Kate Ferguson. O Castelo Contestado: romances góticos eo Subversion da Ideologia doméstica . Urbana: University of Illinois Press , 1989.
  • Florescu, Radu (1996). In Search of Frankenstein: Explorando os mitos Atrás monstro de Mary Shelley (2ª ed.). Londres: Livros Robson . ISBN  978-1-861-05033-5 .
  • Forry, Steven Earl. Progênies hediondos: dramatizações de "Frankenstein" de Mary Shelley ao Presente . Filadélfia: University of Pennsylvania Press , 1990.
  • Freedman, Carl. "Hail Mary: sobre o autor de Frankenstein e as origens da ficção científica". Ficção científica Estudos de 29,2 (2002): 253-64.
  • Gigante, Denise. "Enfrentar o Feio: O Caso de Frankenstein ". ELH 67,2 (2000): 565-87.
  • Gilbert, Sandra e Susan Gubar. Louca no Sótão: o escritor Mulher e da imaginação literária Nineteenth-Century . New Haven: Yale University Press, 1979.
  • Feno, margarida "Jovens Romantics" (2010): 103.
  • Heffernan, James AW "Olhando para o monstro: Frankenstein e Cinema". Critical Inquiry 24.1 (1997): 133-58.
  • Hodges, Devon. " Frankenstein e do Feminino Subversion do romance". Estudos Tulsa em Literatura Feminina 2.2 (1983): 155-64.
  • Hoeveler, Diane longa. Feminismo Gothic: a profissionalização do Sexo de Charlotte Smith às irmãs Brontë . University Park: Pennsylvania State University Press, 1998.
  • Holmes, Richard . Shelley: The Pursuit . 1974. Londres: Harper Perennial, 2003. ISBN  0-00-720458-2 .
  • Jones, Frederick L. (1952). "Shelley e Milton". Estudos em Filologia . 49 (3): 488-519. JSTOR  4.173.024 .
  • Knoepflmacher, UC e George Levine, eds. O Endurance de "Frankenstein": Ensaios para o romance de Mary Shelley . Berkeley: University of California Press , 1979.
  • Lew, Joseph W. "O decepcionante Outros: Crítica de Mary Shelley de Orientalismo em Frankenstein ". Estudos em Romantismo 30,2 (1991): 255-83.
  • Lauritsen, John. "O homem que escreveu Frankenstein ". Pagan Press, 2007.
  • Londres, Bette. "Mary Shelley, Frankenstein , eo espetáculo de masculinidade". PMLA 108,2 (1993): 256-67.
  • Mellor, Anne K. Mary Shelley: sua vida, sua ficção, seus monstros . New York: Methuen, 1988.
  • Michaud, Nicolas, Frankenstein e Filosofia: A verdade chocante , Chicago: Open Court de 2013.
  • Miles, Robert. Gothic Escrita 1750-1820: A Genealogia . Londres: Routledge, 1993.
  • Milner, Andrew. Literatura, Cultura e Sociedade . London: Routledge, 2005 ch.5.
  • O'Flinn, Paul. "Produção e Reprodução: The Case of Frankenstein ". Literatura e História 9.2 (1983): 194-213.
  • Poovey, Mary. A dama eo escritor Mulher: Ideologia como estilo nas obras de Mary Wollstonecraft, Mary Shelley, e Jane Austen . Chicago: University of Chicago Press , 1984.
  • Rauch, Alan. "O Corpo Monstrous do Conhecimento no de Mary Shelley Frankenstein ". Estudos em Romantismo 34,2 (1995): 227-53.
  • Selbanev, Xtopher. "Filosofia Natural da Alma", Western Press, 1999.
  • Schor, Esther, ed. O companheiro de Cambridge a Mary Shelley . Cambridge: Cambridge University Press , 2003.
  • Scott, Grant F. (1934). "Victor Segredo: Queer gótico em Ilustrações de Lynd Ward para Frankenstein". Palavra e Imagem - 28 (Abril-Junho 2012) . 28 (2): 206-232. doi : 10,1080 / 02666286.2012.687545 .
  • Smith, Johanna M., ed. Frankenstein . Estudos de Caso em crítica contemporânea . Boston: Bedford / St. Martin, 1992.
  • Spark, Muriel . Mary Shelley . Londres: Cardinal, 1987. ISBN  0-7474-0318-X .
  • Stableford, Brian. " Frankenstein e as origens da ficção científica". Antecipações: Essays on Science Fiction precoce e seus precursores . Ed. David Semente. Syracuse: Syracuse University Press, 1995.
  • Sunstein, Emily W. Mary Shelley: Romance and Reality . 1989. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1991. ISBN  0-8018-4218-2 .
  • Tropp, Martin. Monstro de Mary Shelley . Boston: Houghton Mifflin, 1976.
  • Veeder, William. Mary Shelley e Frankenstein: The Fate of Androginia . Chicago: University of Chicago Press, 1986.
  • Williams, Anne. The Art of Darkness: A Poética do gótico . Chicago: University of Chicago Press, 1995.

Outras leituras

edições

1818 texto

  • Shelley, Mary Frankenstein: 1818 texto (Oxford University Press, 2009). Editado com uma introdução e notas de Marilyn Butler .

1831 texto

  • (Ed.) Fairclough, Peter três novelas góticas: Walpole / Castelo de Otranto, Beckford / Vathek, Mary Shelley / Frankenstein (Penguin Inglês Biblioteca, 1968). Com um ensaio introdutório por Mario Praz .
  • Shelley, Mary Frankenstein (Oxford University Press, 2008). Editado com uma introdução e notas de MK Joseph .

links externos