Ilghazi - Ilghazi


Da Wikipédia, a enciclopédia livre

Najm ad-Din Ilghazi ibn Artuq (falecido em 08 de novembro de 1122) foi o Turkmen Artukid governante de Mardin 1107-1122.

Biografia

Seu pai Artuk Bey foi o fundador da dinastia Artukid, e tinha sido nomeado governador de Jerusalém pela Seljuq emir Tutush . Quando Artuk morreu, Ilghazi e seu irmão Sökmen sucedeu-o como governadores de Jerusalém. Em 1096 Ilghazi aliada Duqaq de Damasco e Yaghi-Siyan de Antioquia contra Radwan de Alepo ; Duqaq e Radwan estavam lutando pelo controle da Síria após a morte de Tutush. Ilghazi e Dukak eventualmente, brigaram e Ilghazi foi preso, que levem à captura de Jerusalém por seu irmão Sökmen, mas Ilgazi recuperado da cidade, quando ele foi lançado. Ele segurou-a até que a cidade foi capturada pelo Fatimid vizir do Egito , al-Afdal Shahanshah , em 1098. Depois disso, ele procurou fazer um nome para si mesmo o Jezirah , onde seus irmãos também se estabeleceram. Ele então entrou ao serviço da Seljuq sultão Mahmud I , que lhe concedeu Hulvan e fê-lo shihna de Bagdá , um escritório que supervisionou os assuntos do califa em nome do sultão.

Ilghazi foi demitido como shihna em 1104 e tornou-se líder da família Artukid após a morte de Sökmen naquele ano. Este foi contestada pelo filho de Sökmen Ibrahim, mas Ilghazi levou Mardin dele em 1108. Como chefe dos Artukids ele não fez alianças duradouras e muitas vezes mudou de lado, aliando-se com os dois irmãos muçulmanos e cristãos cruzados sempre que ele entendesse. Em 1110 ele participou de um cerco sem sucesso de Edessa . Em 1114 ele e seu sobrinho Balak (futuro emir de Aleppo ) derrotou o governador Seljuq de Mosul , Aqsunqur al-Bursuqi , e capturou Masud, filho do Seljuq sultão. Em 1115 Ilghazi sitiados Homs , mas foi capturado brevemente pelo seu regulador Khir-Khan. Mais tarde nesse ano, Roger de Antioquia , Balduíno I de Jerusalém , Pons de Trípoli , e Baldwin II de Edessa defendeu Antioch contra o Seljuq geral Bursuq ibn Bursuq (para não ser confundido com al-Bursuki), com o auxílio de Ilghazi, Toghtekin de Damasco , e Lulu de Aleppo , todos os inimigos de Bursuk. Estes dois exércitos não veio para a batalha, embora Bursuk mais tarde foi derrotado por Roger na batalha de sarmin .

Ilghazi ganhou o controle de Aleppo depois do assassinato do Lulu em 1117. Em 1118, ele assumiu o controle da Mayyafiriqin e pacificada a paisagem circundante. Em 1119 Ilghazi derrotado e morto Roger na Batalha do Campo de Sangue ; Ibn al-Qalanisi descreve a vitória como "um dos melhores de vitórias, e tal plenitude de ajuda divina não foi concedido ao Islã em todas as suas eras passadas." As cidades Antioquenos de Atharib , zerdana , Sarmin , Ma'arrat al-Numan e Kafartab caiu para seu exército. "Il Ghazi, no entanto, não foi capaz de extrair lucro completo de sua vitória. Sua embriaguez prolongada privados seu exército de liderança, e deixou os turcomanos livre para ... dispersão após pilhagem."

Baldwin II (agora Baldwin II de Jerusalém) logo chegou a dirigir Ilghazi volta, infligindo pesadas perdas sobre os turcos na árdua batalha de Hab em 14 de agosto de 1119. No ano seguinte Ilghazi levou Nisibin , e depois saqueado o Condado de Edessa antes de se virar para o norte para a Armênia . Em 1121 fez as pazes com os cruzados, e com supostamente até 250 000-350 000 soldados, incluindo homens liderados por seu filho-de-lei Sadaqah e Sultan Malik de Ganja , ele invadiu a Geórgia . David IV da Geórgia encontrou-o na Batalha de Didgori e Ilgazi foi derrotado. De acordo com Mateus de Edessa 400 000 Seljuks foram mortos. Entre os vários líderes, única Ilghazi e seu filho-de-lei do Dubai escapou.

Em 1122 Ilghazi e Balak derrotado Joscelino I de Edessa e levou-o prisioneiro, mas Ilgazi morreu em novembro do mesmo ano em Diyarbekir . Ele foi enterrado no Mayyafariqin ( Silvan hoje). Balak o sucedeu em Aleppo e seus filhos Sulaiman e Timurtash sucedeu em Mardin.

Ibn al-Qalanisi é geralmente neutro sobre o caráter de Ilghazi, e descreve apenas um "hábito vergonhoso" do emir: "Agora, quando Ilghazi bebeu vinho e levou a melhor sobre ele, ele habitualmente permaneceu por vários dias em estado de embriaguez , sem recuperar os sentidos o suficiente para assumir o controle ou a ser consultados sobre qualquer questão ou decisão." O cronista antioqueno Walter o chanceler estava em primeiro lugar também neutra em relação Ilghazi, até a Batalha do Campo de Sangue, em que o próprio Walter foi capturado; Ilghazi (escrito como "Algazi" em latim ) é então descrito como um "tirano" e o "príncipe da ilusão e da dissidência do turcomanos." Walter também comenta sobre a embriaguez do Ilghazi.

Família e emissão

Ilghazi casamos Farkhunda Khatun, a filha de Radwan de Alepo, mas ele nunca realmente a conheci e que o casamento nunca foi consumado. Ele então se casou com a filha de Toghtekin de Damasco e teve os seguintes filhos:

  • Ayaz
  • Guhar Khatun, casado Dubais
  • al-Bazm
  • Shams ad-Daula Sulaiman
  • Safra Khatun, casado Husam ad-Din Qurti ibn Toghlan Arslan
  • Yumna Khatun, casado Sad ad-Daula Il-Aldi de meio
  • al-Sa'id Husam ad-Din Timurtash

Ele também teve um filho, Umar, por uma concubina, e Nasr, por um escravo; outro filho possível foi nomeado Kirzil.

Notas

Veja também

Fontes

  • Steven Runciman , A História das Cruzadas, vol. I: A Primeira Cruzada e da Fundação do Reino de Jerusalém . Cambridge University Press , 1951.
  • Kenneth Setton , ed. A História das Cruzadas, vol. I . University of Pennsylvania Press, de 1958 ( disponível on-line ).
  • William de Tiro . Uma História de obras feitas Beyond the Sea . Editado e traduzido por EA Babcock e AC Krey. Columbia University Press, 1943.
  • Arménia e as Cruzadas, Tenth para séculos XII: A Chronicle of Matthew de Edessa . Traduzido por Ara Edmond Dostourian. Associação Nacional de Pós armênios e Pesquisa, 1993.
  • A crónica Damasco das Cruzadas: Extraído e Traduzido do Crónica de Ibn al-Qalanisi . HAR Gibb, Londres, 1932.
  • Walter o chanceler 's "Os Antioquenos Wars": A tradução e comentário , trans. Thomas S. Asbridge e Susan B. Edgington, Ashgate, 1999.
  • Carole Hillenbrand , "A carreira de Najm al-Din Il-Ghazi", Der o Islam 58 (1981).
  • Carole Hillenbrand, um principado muçulmano em Crusader Times: The Early Artuqid Estado . Nederlands Historisch-Archaeologisch Instituut, 1990.
  • Carole Hillenbrand, as Cruzadas: Perspectivas islâmicos . Routledge, 2000.
  • Smail, RC Crusading Guerra 1097-1193. Nova Iorque: Barnes & Noble Books, (1956) 1995. ISBN  1-56619-769-4